Recordar Angola. Fotografias e histórias. Books and photos, livros e memórias

Ambriz, Ambrizente, Benguela, Caála,Cabinda,Caconda,Camambatela, Cambambe, Carmona(Uíge),Catumbela,Cela,Chiloango,Chingorói,Chinguar,Cubal,Cuchi,Cuíto,Cuma, Cunene, Dirico, Dondo, Dundo,Gabela,Ganda,Camacupa Saurino,Landana,Lobito,Longonjo,Luacho,Luanda, Luso, Malanje,Mavinga, Moçâmedes(Namibe), Moxico, Mussungue, Negage, Nova Lisboa (Huambo),Nova Sintra(Catabola), Novo Redondo (Sumbe),Ongiva,Porto Alexandre,Porto Amboim,Ruacaná,Lubango,Salazar,Sanza Pombo,Bailundo

A minha fotografia
Nome:
Localização: Parede, Portugal

terça-feira, dezembro 18, 2012

Vum-Vum Kamusasadi nas Memórias Africanas, com Paulo Salvador

15 de Dezembro de 2012  Convidado: Vum-Vum Kamusasadi (ouvir)












O seu nome verdadeiro é Manuel Rosário das Neves. Um homem das canções que aos 8 anos ganha o concurso Cazumbi, do produtor Luis Montez. Participou em inúmeros programas de rádio nos anos 60. Foi o primeiro negro a cantar na boite Tamar, em Luanda e o primeiro a ser contratado para uma revista à portuguesa em Lisboa.No entanto acabou por nunca subir ao palco por se ter recusado a cantar musica portuguesa. Viveu em Espanha, desfilou, foi para a Alemanha e gravou disco. Uma vida de aventuras para descobrir.

quarta-feira, dezembro 05, 2012

Joost De Raeymaeker, nas Memórias Africanas, com Paulo Salvador


01 de Dezembro de 2012. Joost De Raeymaeker















Um belga que deixou o seu país para vir para Portugal, que se casa com uma angolana que vivia no Porto e que começa a viajar para Cabo Verde, Angola e Moçambique. Apaixonou-se por África e fez aquele que é o primeiro guia de viagens sobre Angola escrito em português, no pós-independência. 
    O que foi preciso para aqui chegar é o que partilha nesta entrevista por terras africanas

Maria Eduarda Ferronha, nas Memórias Africanas, com Paulo Salvador


24 de Novembro de 2012. Convidada:  Maria Eduarda Bento Alves Ferronha.













Uma filha de Angola que cedo começou a lutar pelos direitos cívicos. Nasceu do amor de um engenheiro agrónomo português, de Caminha, e uma africana das terras do Curoca, Porto Alexandre. A maior parte da vida esteve em Sá-da Bandeira e Luanda. Cresceu num meio estudantil com vários nacionalistas africanos. Foi vigiada pela Pide. Cumpriu o sonho de estudar medicina e tornar-se enfermeira. No hospital de Luanda assistiu a muitas mortes. Em plena guerra entre os partidos angolanos, combateu o racismo da guerra, que separava os feridos nas macas. Uma vida longa e cheia de memórias.