Recordar Angola. Fotografias e histórias. Books and photos, livros e memórias

Ambriz, Ambrizente, Benguela, Caála,Cabinda,Caconda,Camambatela, Cambambe, Carmona(Uíge),Catumbela,Cela,Chiloango,Chingorói,Chinguar,Cubal,Cuchi,Cuíto,Cuma, Cunene, Dirico, Dondo, Dundo,Gabela,Ganda,Camacupa Saurino,Landana,Lobito,Longonjo,Luacho,Luanda, Luso, Malanje,Mavinga, Moçâmedes(Namibe), Moxico, Mussungue, Negage, Nova Lisboa (Huambo),Nova Sintra(Catabola), Novo Redondo (Sumbe),Ongiva,Porto Alexandre,Porto Amboim,Ruacaná,Lubango,Salazar,Sanza Pombo,Bailundo

A minha fotografia
Nome:
Localização: Parede, Portugal

segunda-feira, dezembro 26, 2011

Rui Rangel nas Memórias Africanas, com Paulo Salvador



Juiz de profissão, figura mediática em Portugal, Rui Rangel revela os tempos em que se meteu na política, no liceu de Sá da Bandeira, a fuga da cidade, a inadaptação em Portugal, o regresso a Luanda onde foi preso e torturado, às mãos do MPLA. Um homem que confessa viver entre a paixão e a desilusão para com Angola.

Helena relvas nas Memórias Africanas, com Paulo Salvador



Ela foi uma super-atleta de Moçambique nas décadas de 60 e 70. Alguns dos seus recordes ainda hoje não foram superados pelos atletas moçambicanos. A menina que quando estava no Benfica se escondia no fosso do estádio para não treinar, conta histórias perdidas da história. Uma conversa com sorrisos e revelações.

segunda-feira, dezembro 12, 2011

Ana Maria Barroné nas Memórias Africanas, com Paulo Salvador



Uma mulher inesquecível. Todos a conhecem como Ana Preta. Foi das primeiras mulheres negras a trabalhar para o Exército Português em Moçambique nos anos 60. Veio para Portugal e não quis aceitar o apoio do Iarn. Lutou a pulso, com o marido. Vendeu sapatos, fez comida e foi espalhando o seu dom por todos: a amizade. O resto da sua vida define-se pelas consequências de ser amiga de todos. O bem que lhe vai sendo retribuído é uma marca da vida de uma filha de África, que pelo gosto dos seus petiscos conheceu meio mundo e até cozinhou para Jorge Sampaio.

terça-feira, dezembro 06, 2011

António Ferreira Alves nas Memórias Africanas, com Paulo Salvador




Ele andou por todo o lado em Angola. Foi chefe de posto nos mais remotos locais que se pode imaginar. Ajudou a criar aquilo que viriam a ser povoações. Assistiu ao desenvolvimento de um país. Recorda o dia em que foi descoberto petróleo em Angola. Recorda os tempos em que se viajava de tipóia pelo sertão africano. Nasceu em 1923 e esteve mais de 50 anos em terras de Angola. Uma conversa irrepetível. Autor do livro "No tempo de Iavulu" memórias de Angola.