Recordar Angola. Fotografias e histórias. Books and photos, livros e memórias

Ambriz, Ambrizente, Benguela, Caála,Cabinda,Caconda,Camambatela, Cambambe, Carmona(Uíge),Catumbela,Cela,Chiloango,Chingorói,Chinguar,Cubal,Cuchi,Cuíto,Cuma, Cunene, Dirico, Dondo, Dundo,Gabela,Ganda,Camacupa Saurino,Landana,Lobito,Longonjo,Luacho,Luanda, Luso, Malanje,Mavinga, Moçâmedes(Namibe), Moxico, Mussungue, Negage, Nova Lisboa (Huambo),Nova Sintra(Catabola), Novo Redondo (Sumbe),Ongiva,Porto Alexandre,Porto Amboim,Ruacaná,Lubango,Salazar,Sanza Pombo,Bailundo

A minha fotografia
Nome:
Localização: Parede, Portugal

quinta-feira, junho 21, 2012

Isabel Valadão nas Memórias Africanas, com Paulo Salvador

16 de Junho de 2012. Convidado:ISabel Valadão (ouvir)

Isabel Valadão escreveu dois livros que nos remetem para África e para Angola. Um chama-se "Loanda–Escravas, Donas e Senhoras e agora acaba de lançar um outro chamado "Sombra do Imbondeiro".Para lá dos livros, esconde uma vida e um percurso de venturas e desventuras por Africa e a Europa. Ela nasceu em Paço de Arcos, mas cedo começou a sua aventura pelo mundo.

quarta-feira, junho 13, 2012

José Duarte Jesus nas Memórias Africanas, com Paulo Salvador

9 de Junho de 2012. Convidado:José Duarte Jesus (ouvir)

Um ex-embaixador que deve ter sido dos poucos diplomatas exilados de Portugal enquanto ainda membro do governo. Uma história do tempo de Marcelo Caetano. Ele esteve no Congo, no Zaire e em vários outros países. Ao fim de anos de investigação ele descobriu uma organização secreta, fascista, que operava em Portugal e no Mundo, com o apoio de Salazar, com o intuito de acabar com o comunismo: a Aginter Press. Espiões estrangeiros que tiveram participação em Angola e Moçambique, com suspeitas de envolvimento na morte do líder da Frelimo, Eduardo Mondlane. Confissões e histórias de um homem que mergulhou em África e na sua história.

terça-feira, junho 05, 2012

Vitor Espadinha nas Memórias Africanas, com Paulo Salvador
02 de Junho de 2012. Convidado: Vitor Espadinha (ouvir)














Vitor Espadinha sempre teve o sonho de ser actor, mas nunca imaginou que África fosse o caminho para tal. Rapaz, foi sozinho para Lourenço Marques onde conheceu o seu pai. Por lá se fez homem, fez tropa, esteve preso. Andou por vários países de África. Para conseguir um emprego fez greve de fome. Em Inglaterra trabalhou para os casinos da Playboy. Nos anos oitenta uma música chamada "Recordar é viver", fez dele uma figura da canção portuguesa. As histórias, as memórias, as lágrimas e os risos, numa conversa à volta de uma vida.