Recordar Angola. Fotografias e histórias. Books and photos, livros e memórias

Ambriz, Ambrizente, Benguela, Caála,Cabinda,Caconda,Camambatela, Cambambe, Carmona(Uíge),Catumbela,Cela,Chiloango,Chingorói,Chinguar,Cubal,Cuchi,Cuíto,Cuma, Cunene, Dirico, Dondo, Dundo,Gabela,Ganda,Camacupa Saurino,Landana,Lobito,Longonjo,Luacho,Luanda, Luso, Malanje,Mavinga, Moçâmedes(Namibe), Moxico, Mussungue, Negage, Nova Lisboa (Huambo),Nova Sintra(Catabola), Novo Redondo (Sumbe),Ongiva,Porto Alexandre,Porto Amboim,Ruacaná,Lubango,Salazar,Sanza Pombo,Bailundo

A minha fotografia
Nome:
Localização: Parede, Portugal

terça-feira, novembro 08, 2011

José Eduardo Agualusa, nas Memórias Africanas, Rádio Sim, Paulo Salvador

05 de Novembro 2011, Agualusa (ouvir)



Um filho do Huambo que cresceu para o mundo pela escrita. Apesar das raízes familiares angolanas e brasileiras, foi pela mão de uma peça de teatro encenada pela mãe, em Nova lisboa que descobriu o Brasil e a arte de Chico Buarque. Um homem que sonha os livros que depois escreve. Um angolano vaidoso e dividido entre Portugal, Angola, Brasil e o resto do mundo. Curiosamente é um homem escreve e toma notas , para não se esquecer. Às vezes até estranha as coisas que já escreveu. Ainda assim, muitas e boas memórias partilhadas numa conversa sem pressas.

3 Comments:

Anonymous Anónimo said...

Gostei muito da entrevista. Porém, a falta de memória que Agualusa diz ter, aflige-me. Eu nada tenho mas tenho tudo. Tenho memórias, boas e más (que, como as primeiras, fazem parte da vida) e, por isso, tenho toda a riqueza. Espero poder tê-las até ao fim ... O que seria do Agualusa se, como ele, não tivéssemos memória e esquecêssemos os seus livros? Nem sei se acredite, ou não, que ele é desmemoriado ...

Enfim ...

Parabéns pelo programa. Acompanho-o semanalmente e há, realmente, entrevistas muito interessantes ...

Agradeço-lhe e felicito-o.

11:48 da tarde  
Blogger Paulo Salvador said...

Obrigado pelo seu comentário

11:12 da tarde  
Anonymous Henrique Arruda said...

O progama é bom e oportuno. O Paulo Salvador fez também um trabalho notável de recolha de dados, memórias,fotos, descrições de toda uma obra e um tempo. Estão nos seus Livros Recordar Angola. Eu tenho 1 volume e vou adquirir o outro. Ali encontro as pessoas e as memórias de amigos. Quem não se lembra do Congo ou do Xico Bamba? e tantos outros! O Agualusa saíu com 15 anos, talvez as memórias não sejam tantas, mas está a fazer um percurso notável como escritor e já fala da sua terra com muita propriedade!

12:50 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home